sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Um dia seremos a maioria


Antes de mais nada uma explicação. Jozz é um conterrâneo que virou amigo num desses acasos. Diego, ele e eu nascemos e crescemos em Jaú e inclusive, o pai de Jozz é um carismático professor e contador com quem tive quando fiz o curso Técnico em Contabilidade.
Jozz tinha tudo para ser nosso amigo, mas não nos conhecemos em Jaú, descobrimos ele de forma curiosa por causa do impressionante trabalho de conclusão de curso que será publicado pela Devir: O Circo de Lucca. Depois disso entrevistei o rapaz, (veja aqui a entrevista), convidamos ele para um bate-papo na entrega do nosso Trófeu Alfaiataria de Fanzines e de lá para cá, quando o tempo permite trocamos umas idéias.


Ontem o Jozz me mandou um e-mail com título deste post, falando que viu o nosso amigo Sidney Gusman no metrô lendo Calvin e pelo assunto que ele escolheu para o e-mail, notei que ele tem a mesma esperança que eu de que um dia, alguém lendo uma revista em quadrinhos no metrô ou no ônibus não seja uma coisa peculiar.


Pessoalmente, eu sempre fico curioso quando vejo alguém lendo uma revista em quadrinhos. Inclusive, se você mora em São Paulo e um dia me ver tentando olhar a capa do que você está lendo, não se assuste é, como diz o Diego, curiosidade de pesquisador.

Mas, voltando ao e-mail, ontem quando respondi o Jozz estava meio descontente, talvez com o mundo em si, talvez pelas coisas que as vezes ouço dizer, talvez pelo preço das publicações, talvez pela qualidade... sei lá. Eu sei que existem vários leitores de quadrinhos, eu sei disso porque muitas peossas acompanham o site, mesmo assim, não estava em um dia que eu achava que poderíamos ser a maioria.


Por sorte, ontem mesmo na faculdade vi alguém lendo o Calvin! Não sei dizer se isso juntou com o e-mail do Jozz ou se é o lance de ver outra pessoa ao vivo que gosta de quadrinhos perambulando por aí, mas o fato é que eu voltei a acreditar que um dia seremos muitos.

Inclusive, espero que um dia encontremos pessoas lendo o Circo de Lucca, o Zine Royale e outras publicações que o amigo Jozz venha a criar.

4 comentários:

Diego disse...

Até parece que quem tá no interior são vocês! Um encontrando o outro assim, no metrô. 8-)

Esse anseio de ver os quadrinhos "tomando as ruas" deve ser natural de todo leitor. Aqui na UFSCar mesmo, depois que a Biblioteca inaugurou o acervo de quadrinhos, todo mundo que freqüenta o espaço fica se olhando meio tímido, pra saber quem está lendo o quê.

Eduardo Nasi disse...

Pelo visto, tem mais gente lendo: sempre tem gente nas seções de quadrinhos das livrarias aqui dos arredores.

Zé Wellington disse...

É a realidade dos apaixonados por quadrinhos... Numa mídia tão subutilizada no Brasil (convenhamos...), a gente sempre fica procurando pra saber se tem mais alguém lendo HQs na cidade que a gente não conheça, que não faça parte do grupo de amigos... Moro no interior do Ceará e sempre que vou a uma banca jornal e vejo alguém que não conheço vendo HQs fico naquele curiosidade pra saber o que aquele cara costuma ler...

Lucas Ed. disse...

Ah, engraçado, acabei de ler minha dose homeopática diária de Calvin!
Interessante, eu nunca tinha problematizado o assunto... Não sei, acho que aqui na faculdade há um grupo consideráveld e leitores de HQ's... Mas outro dia me enchi de orgulho, quando um professor citou Watchmen numa aula de Ética e, coincidentemente a HQ tinha circulado nos corredores poucos dias antes...

Só um adendo, o título do post e, logo, o do e-mail, saiu de "À perigo" do Engenheiros? (http://members.tripod.com/gersondc/engsimples.htm#aperigo)