terça-feira, 18 de setembro de 2007

Dexter

Eu já fui um grande fã de séries de tv. Fã mesmo, de ter uma grade de horário de forma a ver quase tudo que passava em vários canais. Hoje em dia, não sei se pela falta de tempo ou se pela falta de coisas realmente interessante, me limito a acompanhar fielmente algumas séries como House e Monk e assistir as outras quando dá.

Mas nos últimos meses eu acrescentei uma nova série à essa lista: Dexter. É uma série do canal pago Fox que tem tudo ao seu favor. Inteligente, diferente, bem estruturada e em um ótimo horário, domingo as 21 hs.

Para quem não conhece essa é uma nova série policial centrada em um investigador forense especializado em borrifos de sangue que é um serial killer de criminosos.

Só essa idéia inicial já é bem interessante, mas o que deixa a série realmente cativante são as motivações de Dexter. Ele é alguém incapaz de sentir qualquer coisa. Mesmo conceitos básicos como amor e ódio são estranhos para ele porque ele simplesmente não sente nada disso.

Desde que foi adotado por um policial achado Harry, Dexter era diferente das outras crianças (aos poucos vai sendo revelado que isso está ligado a forma que ele foi encontrado, no meio de um massacre onde, aos três anos, ele viu a mãe e outras pessoas serem esquartejadas). Harry, sabendo disso treinou e direcionou o rapaz para que ele fosse um assasino em série altamente habilidoso e que ele só matasse criminosos que ele tinha certeza da culpa, mas que, por alguma questão legal, não foram punidos.

No momento em que a série passa, Harry já faleceu e Dexter trabalha para a polícia junto com sua irmã adotiva (filha natural de Harry) que é detetive. O fio condutor da série é um assassino serial batizado de "O Assassino do Caminhão". Ele tira todo o sangue de suas vítimas e as corta em vários pedaços com extrema simetria e precisão. Enquanto para a polícia esse é um grande caso, para Dexter é a sua chance de conhecer alguém como ele e tentar entender melhor a si mesmo.

Falando assim pode não parecer nada de mais, mas, quem assiste a série deve estar que nem eu, esperando por domingo quando será exibido o último capítulo da temporada. Ah, antes de fechar o post duas coisas:

1: O único problema da série é a decisão ábsurda da Fox de dublar todas as suas séries. O grande problema das dublagens é que parece que o Brasil tem apenas meia dúzia de dubladores e é horrível assistir a série vendo um dos policiais com a mesma voz do Paul Sr. do American Chopper.

2: Hoje é dia de Madeleine Peyroux em São Paulo, a voz mais cativante da atualidade (segundo a Eldorado). Eu vou e depois digo como foi, se alguém mais estiver lá, aproveite para passar pelo blog amanhã e deixar seu comentário.

Um comentário:

renata disse...

putz..Paul Sr é realmente cruel!rsrs... só rindo pra não chorar