terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Frango com Ameixas


Parece uma receita ruim, pelo menos eu não comeria algo assim, mas na verdade é um dos melhores quadrinhos que eu li esse mês, e olha que esses dias só tenho pego coisas muito boas.

Frango com Ameixas é o outro álbum de Marjane Satrapi, a elogiada criadora do Persépolis, uma história autobiográfica que retrata a complexa cultura iraniana. Nesse novo álbum, Marjane retrata outro membro de sua família, seu tio-avô, Nasser Ali Khan. A história se passa em Teerã, em 1958, e retrata os oitos dias de espera de Khan que decidiu morrer depois que sua esposa quebrou seu tar (instrumento musical similar a uma cítara indiana).

Confesso que peguei o álbum com os dois pés atrás. Não gosto da arte de Marjane, desse estilo que parece um desenho infantil, desajeitado, meio de quem não sabe desenhar. Mas nesse álbum tem momentos em que ela se revela e deixa claro que aquilo tem um propósito.

Mais do que isso, mesmo sendo um desenho mais simplificado ele funciona para contar uma história e bem... que história!

O que parece algo muito triste, um sujeito que se entrega a morte aparentemente por nada aos poucos vai se revelando muito mais e no final, bem no final se trata de uma grande e bem montada história de amor em vários sentidos.

Não dá para entender por completo. A barreira cultural não ajuda, mas vale muito à pena. Se você gosta de uma história diferente, perca seus preconceitos e leia Frango com Ameixas. Não precisa ler Persépolis antes, aliás, acho que até é uma vantagem não ler.

Na Banca 2000 dá para comprar os dois álbuns com desconto. 

Um comentário:

Fernando Peres Farto disse...

Frango com Ameixas é horrível! Me refiro ao prato, claro ^_^

Pretendo ler até o final desse mês, se Deus quiser...