segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Guerra dos Mundos

Esses dias aqui em São Paulo a Panini fez uma jogada de Marketing bem ao estilo Orson Welles. Para quem não sabe, Welles fez em 1938, pela rádio CBS americana, uma leitura de um trecho do livro Guerra dos Mundos de H. G. Wells como se fosse uma notícia oficial da invasão dos marcianos na Terra. Na época, com a informação centrada no rádio, a população entrou em pânico e acreditou naquela “notícia”.

Em julho, quando iniciou a Guerra Civil na Marvel a Panini lançou uma edição extra do Clarim Diário, com direito a editorial do JJ. Jameson e tudo mais. O bloqueto estava sendo vendido por R$ 0,50, mas aparentemente, menos pessoas do que a editora esperava estavam disposto a pagar por um informativo publicitário.

Com esse encalhe nas mãos, a Panini encaminhou algumas pessoas para as estações de metrô de São Paulo, onde são distribuídos gratuitamente dois jornais e, como se fosse um novo periódico, distribuíram a edição Extra do Clarim.

É claro que nos dias de hoje as pessoas estão mais céticas e, de mais a mais, uma manchete sobre a explosão de uma guerra civil seja lá onde ela for, não é tão perturbadora. Mas, várias pessoas vieram me falar que pegaram o jornal como verdadeiro e custaram a entender o que era aquilo.

No fim, foi uma boa idéia. Por mais de algumas dezenas de exemplares vão para o lixo a tendência das pessoas, a partir do momento que entendem que aquilo é uma publicidade de histórias em quadrinhos é levar o jornalzinho para alguém conhecido que ela saiba que gosta de quadrinhos.

Como sempre falamos, a Panini erra para caramba, tanto editorialmente como em suas estratégias de marketing, mas, vemos que eles estão se esforçando e isso já é alguma coisa.
Em tempo, está no ar um texto bem bacana do nosso amigo Adriano A. Moreno sobre a Guerra civil. A melhor parte do texto é a segunda que entra no ar amanhã (29/08) falando sobre o que ancetedeu a Guerra tanto nos quadrinhos cmo no contexto político americano. Não deixem de ler esse texto que está na nossa área de matérias.

5 comentários:

Amalio disse...

Meu amigo, como é difíci serrrr do interiorrrrr, nóis num viu nem u chero des jorná. Inté.

Zé Oliboni disse...

Ainda bem que eu sou do interior também então posso fazer essa piada:

Então os jornais foram distribuídos aqui porque se tem o metrô onde já se pratica a distribuição de jornais. No interior não dá para fazer isso porque ia ser complicado deixar alguém da pracinha da igreja anunciando o início de uma guerra civil.

Franchico disse...

Aqui em Salvador esse Clarim Diário nem tchuns.

Zé Oliboni disse...

Chico, você tem que ver o seguinte, se aqui em são paulo ou no Rio alguém falar sobre Guerra Civil ninguém vai nem estranhar. Agora, já pensou do lado da barraca de coco o cara distribuindo o jornal dizendo que explodiu a Guerra Civil, nãos sei se seus conterrâneos vão se abalar, mas, no mínimo, vai ser algo inesperado.

Amalio disse...

Cumpadi Zé, verdade, principarmente a Dona Ermengarda que tem pressão arta e o Zé das Couve qui sofre de fraqueza nos osso.