quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Será que um dia ela volta?


Não sei se o pessoal por aqui acompanha muito a política nacional. Eu pessoalmente não gosto muito, principalmente porque a gente sabe como tudo é cheio de entremeios que nunca são divulgados, mas faz um bom tempo que não tem nada tão emocionante ocorrendo em Brasília quando a votação da prorrogação da CPMF.

Nem mesmo as dúzias de escândalos, mensalões, CPI´s e tudo mais animava tanto quanto isso, pois, nos outros casos era certo que tudo iria para debaixo do pano. Mas a CPMF não. O governo tinha medo de perder e ontem se viu que o medo era justificado.

Tudo bem que nem esse “medo” manteve o Lula aqui no Brasil, mas, em cada país que ele dava uma passeadinha e conseguia pular na frente de uma câmera, seja ela em alta definição ou não, ele dava um jeito de mandar um recado para o senado, chegando, até, como dissemos anteriormente a dizer que faltará dinheiro para os pobres.

Olha, analisando tudo agora cabe um comentário. A tal democracia passa muito longe do brasil e não tem previsão para voltar de viagem. Veja bem, os senadores que articularam para votar contra a CPMF não estavam pensando na população, não estavam preocupados com uma carga tributária gigantesca que, por incrível que pareça, cresce mais do que o PIB do país... não não, não é nada disso, eles querem saber é de derrotar o Lula e o PT.

Não que o PT esteja certo também, não que eu não fique feliz de manter meus centavos na minha conta, mas, derrubar um imposto só para mostrar quem é mas forte na queda de braço... é algo muito ruim para o país em geral. Parece que os mandatos não tem mais quatro anos, na verdade eles nem existem, só são uma campanha permanente...

Só para fechar, quem ficou preocupado com o dinheiro dos pobres, acalme-se. Foi prorrogada a Desvinculação de Receitas da União (DRU) que permite que o governo remaneje 20% de sua receita da forma que bem entender podendo tirar recursos de diversos lugares e realocar em programas sociais. Isso sim é algo interessante, pois agora vamos ver o quanto o Lula acha importante seus programas sociais e se ele vai diminuir os gastos desnecessários para sobrar dinheiro para os pobres.

2 comentários:

Amalio disse...

Outro detalhe importante é que este era um dos poucos, senão único, que não permitia a sonegação, ou seja, você tinha que pagar, a não ser que usasse dinheiro vivo, mas isso é quase impossível em quantidades grandes. Obviamente que a alíquota não fazia distinção entre ricos e pobres, mas os igualava, mesmo os trabalhadores informais. Agora essa votação foi mais falsa que nota de três reais, o Zé acertou na mosca o motivo por trás de tudo.

Junior disse...

o mais ironico disto tudo é que:
Os FDP´s do PSDB que bancaram a criação da CPMF, agora disseram não...
Meu comentario...
Que esses Senadores morram logo e na pobreza e tomara que precisem do SUS...agora sem CPMF...